quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Resenha de Setembro - Hot
Nenhum lugar para fugir - Maya Banks
Sam Kelly foi o seu primeiro amor.
A última pessoa que Sam Kelly esperava retirar, ferida do lago, era Sophie Lundgren. Uma vez compartilharam um caso breve e intenso enquanto Sam estava à paisana e, em seguida, ela desapareceu. Ela passou os últimos meses fugindo, sabendo que qualquer erro custaria a sua vida e a de seu filho ainda não nascido, o filho de Sam. Agora ela reapareceu com um aviso para Sam: desta vez, ele é quem está em perigo.
Agora ele é sua última chance.
Sam tem muitas perguntas para ela antes de deixá-la escapar novamente, como, por que ela desapareceu, em primeiro lugar. Desta vez ele promete não ser seduzido. Mas um olhar em seus olhos, e a paixão queima novamente, e Sam sabe que fará tudo para manter a ela e seu filho seguros. No entanto, o passado obscuro de Sophie é mais perigoso que ele imagina, e a única maneira para qualquer um deles sobreviver, é superar.
Esqueça, Diana Palmer, Candace Camp e todas aquelas autoras famosas por livrinhos ultra-emotivos. Se você nunca leu um livro da Maya Banks, dizer que você está perdendo muito seria o mínimo que uma pessoa de bom senso faria. Ok, chega! Todo esse drama, na verdade, foi só pra dizer que essa autora é uma das minhas favoritas... Digna de soluços e lágrimas a cada história que chega as minhas mãos famintas por livros. Então... a história é linda. Romântica, inteligente, emocionante, surpreendente... Tudo aquilo que se espera de uma história dessas com um gostinho de quero mais, muito bem oferecido que me deixou louca pra ler o resto da série. Ah  me esqueci de falar. Esse livro é o segundo de uma série chamada “The Kelly Group Internacional” ou KGI para os íntimos. Ao que parece é que a série conta com 5 livros mas até agora só 2 foram lançados. Pena... um dos ruins da Maya Banks é que ela demora muito a escrever. Mas compensa pela qualidade dos livros.
Coisa triste, só agora lembrei que esse mês a categoria do livro é Hot e isso esse livro não tem. Não que não tenha boas cenas quentes ou que elas sejam poucas. Só que elas não são o foco do livro, como a gente geralmente espera desse tema. Não que mude minha opinião sobre o livro... só que se fosse para recomendar pra alguém que realmente quer um livro Hot, eu indicaria outro, e deixaria só a sugestão pra dar uma olhadinha nesse mais tarde.

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Resenha de Agosto - Contempôraneo


O domador de paixões - Catherine Anderson
Molly Wells é uma mulher que arrasta consigo muitos segredos. Só ela sabe o motivo que a levou a roubar um valioso puro-sangue ao ex-marido e a empreender com ele uma viagem de dentenas de quilómetros, através do Oregon, para o levar ao rancheiro Jake Coulter, um conhecido domador de cavalos. Ou o razão por que chega ao rancho deste sem emprego, sem dinheiro e com um medo horrível do ex-marido, que ameaça ainda controlar-lhe a vida. Molly está disposta a quase tudo para salvar Sonora Sunset, e nem sequer se apercebe que é ela própria quem precisa de salvar-se… e muito menos que Jake é o homem que pode dar-lhe aquilo de que ela necessita.
Ao acolher Molly no seu rancho, Jake suspeita que pode estar a dar guarida a uma ladra. Mas algo naquela mulher corajosa e ao mesmo tempo vulnerável o toca particularmente. Anseia assim por dar-lhe a maior dádiva que alguma vez poderá conceder – um lar, o seu afecto e a partilha do resto da sua vida. Mas até que ela se sinta suficientemente forte para aceitar tudo o que lhe deseja proporcionar, a única coisa que Jake pode oferecer-lhe é a sua disponibilidade paciente, a força para a ajudar a fazer frente aos seus inimigos e a promessa de a amar para sempre.

Emocionante, digno dos volumes anteriores da série... Foi bom ter esperado por ele, o que não foi tão bom foi a falta de tempo pra ler tudo de uma vez.
Conheci Catherine Anderson há alguns anos atrás  com o primeiro livro dessa série ”Uma luz na escuridão”. Um livro antigo, o que pode-se perceber pelas datas mencionadas nele e que, sabe-se por que cargas d’água, demorou pra ser traduzido pro nosso bom português. Isso considerando que Brasil e Portugal compartilhem o mesmo português... O que, na verdade, gera momentos divertidos durante os livros (como por exemplo, imaginar um daqueles cowboys lindos de morrer vestidos de camisolas... Calma! Em Portugal é assim que eles falam camisas. E vice-versa). Depois veio “A canção de Annie” que não fazia parte da série mas me mostrou que Catherine era especialista em mocinhas traumatizadas (ou traumáticas, como preferir). E então “Amor a primeira vista”, continuando “Uma luz na escuridão”, em que eu finalmente entendi qual era a da autora. Qual era a moral da história que ela quer passar... ”Ninguém sabe quanta força tem até que sua única escolha é ser forte.” Não sei onde li isso, mas é a pura verdade desse livro. Na história a mocinha rouba um cavalo pra salvá-lo de maus cuidados e daí conhece o mocinho que acaba salvando os dois... Tá certo que o Jake tem sim um ar de príncipe encantado meio exagerado, mas o livro não foi prejudicado por isso. Nem pelo modo como a história da mocinha foi contada, meio que aos pedaços, exigindo uma atenção maior ao uso das palavras dela. Foi um bom livro, sem tirar nem por, e melhor, é que parece o tipo de história que se ouviria por aí. Não algo que seja planejado mas que se desenrola e que vai se resolvendo por conta própria...
O melhor do livro? Perto do final a cena do cavalo que quase pisoteou o vilão... Além de engraçada ver um cavalo agindo como um cachorro, foi um belo toque o vilão com medo do bicho. O pior? Não teve nem uma palhinha de quem seria o próximo da série... Ah nem!

terça-feira, 10 de julho de 2012

Resenha de Julho - Sobrenatural

Boa noite meu amor - Jeanne Rose
Adriana Thorn adorava a quietude da noite. E o enigmático Valentim Kadar circulava por esse mundo, sentindo o pulsar da cidade mergulhada nas sombras. Depois de provar o beijo dele, Adriana foi tomada de um desejo tão intenso que queimava em suas veias como um líquido ardente. Ela não podia negar o perigo que envolvia seu misterioso amante, mas era impossível lutar contra o sentimento impulsivo e maravilhoso que a atraía para os braços daquele homem que nunca vira a luz do dia...

Tá faltando alguma coisa... Enquanto lia esse livro, tive essa sensação o tempo todo. Ainda não sei explicar o que faltou, poderia ter sido boas cenas, diálogos melhores, ironias, personagens bem feitos... mas o livro tinha tudo isso. Mas ainda fiquei com aquela sensação de que faltava alguma coisa.
Mas calma! Primeiro eu preciso falar sobre a escolha do livro. Honestamente, eu não sou muito fã de vampiros. Prefiro muito mais um bom lobisomem do que esses espetáculos sanguinários que geralmente são os livros inspirados na Transilvânia. Mas esse livro, como muitos outros antes dele, despertou minha curiosidade, e me pareceu lógico escolhe-lo para  a Maratona. E de certa forma, eu gostei. Me lembrou um pouco de um romance brasileiro que eu tive a oportunidade de ler algum tempo atrás. Nesse romance – A crônica da casa assassinada do Lúcio Mauro Filho – uma das coisas que se destacava era o ambiente, a própria casa, que parecia ter sido criada como um personagem, com vida e personalidade próprios. O mesmo foi feito, ou tentado, com a noite nesse livro. Embora, sem o mesmo sucesso. Outra coisa foram os personagens, bem realistas, sem muito daquela perfeição que a gente espera. A história também não foi idiota, sem nexo, ou forçada demais. Bem feito, mas ainda assim, não chegou lá. Por isso, estou com um pouco de medo de dizer que não gostei. Ao mesmo tempo que me sinto insegura de dizer que gostei. Por isso dessa vez eu vou pedir, pra quem se animar, se não poderia ler esse livro? E me mandar nos comentários se foi impressão minha ou não, que tinha alguma coisa faltano no livro. Muito estranho isso...
O melhor do livro: a irmã da Adriana, Jennifer, que mostrou que irmãs de verdade se amam, mas também são capazes de uma boa briga.
O pior? De novo, o modo como a cidade foi descrita como se fosse do tamanho de um ovo, eu já tinha reclamado disso em outro livro não é mesmo? 

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Resenha de Junho - Histórico Medieval

Refém da Sedução - Hannah Howell
Jennet Graeme testemunhou tragédias terríveis ao longo dos muitos anos de conflitos entre ingleses e escoceses. Quando os escoceses invadem o convento onde ela se refugiou, Jennet resiste e desafia o guerreiro bonito, alto e loiro que a toma como refém. Mas a força bruta de Hacon é avassaladora, e Jennet é forçada a cavalgar com ele por aquelas terras sem lei, cuidando dos feridos, protegida e desejada por um homem a quem ela quer odiar... mas não consegue... Hacon Gillard se sente tocado pela bondade e generosidade de Jennet. Como cavaleiro do rei, ele jurou lealdade a seu soberano, mesmo perdendo o coração para aquela jovem encantadora. E então, o impiedoso guerreiro começa a sonhar com algo que vai muito além do calor das batalhas...

Difícil falar desse livro... começou bem, diminuiu um pouco o ritmo, voltou, deu uma virada muito estranha e terminou exatamente onde eu queria que terminasse. Bem como o que eu esperava da Hannah Howell mesmo, só que sem aquele fator surpresa que tranforma um livro bom em um livro excelente. Especialmente depois do livro de abril ter causado tanto impacto pra mim. Estranho como um livro influencia a leitura  do outro, não é? Apesar de completamente diferentes e, teoricamente, não haver muitos critérios de comparação entre eles.
O melhor do livro? Hum... a história da mocinha quase me fez chorar, quase mesmo! O pior? Pela velocidade com que os personagens viajavam eu tive a sensação de que a Escócia inteira era do tamanho da minha cidade. Talvez um pouquinho maior... só um pouquinho.

sábado, 5 de maio de 2012

Resenha de Maio - Secretárias

Artimanhas do Amor - Diana Palmer
"Kenna Dean nunca pensou que se uniria a seu intempestivo chefe, Regan Cole. Mas de repente ela se vê envolvida em um plano maquiavélico arquitetado por Regan para pôr fim aos casos extraconjugais do irmão dele, Danny. Porém, o plano faz com que Regan e Kenna se aproximem cada vez mais, e o feitiço pode virar contra o feiticeiro..."

Maio, e o livro das secretárias... Eu não gosto de ser preconceituosa em relação a livros, mas preciso confessar que não sou muito fã desses “romances de escritório”. Falando ainda mais honestamente? Eu detesto essas receitas prontas da menina que é uma patinho feio e apaixonada pelo chefe e então, quando ele está prestes a casar com uma vadia qualquer, ela se transforma e ele percebe que ela existe e são felizes para sempre. Afinal é disso que 80% dos livros com esse tema trata...
Então quando eu fui escolher o livro desse mês eu já fui descartando todos todos os que pareciam com essa receita, o que dificultou meu trabalho mas valeu muito a pena.
Estranho mas (apesar do tema) eu realmente gostei desse livro. Fugiu um pouco da receita, e do que a gente espera da Diana Palmer, pela mocinha forte e pela abundância de cenas engraçadas. E claro, pela história, onde pela primeira vez a mocinha não termina com o cara por quem era apaixonada no começo.
Eu já conhecia Diana Palmer de outras edições e sabendo que ela é uma das poucas pessoas com a capacidade mágica de me fazer chorar na frente do computador, eu me tranquilizei um pouco na hora de escolher. O que talvez tenha sido a causa da surpresa já que eu não esperava gostar tanto  do livro. Talvez esperasse não detestar muito, mas não esperava gostar.
Bom saber que autores já conhecidos ainda podem me surpreender. Bom saber...

sábado, 7 de abril de 2012

Resenha de Abril


Tema: Mocinho sequestra mocinha;
Livro: Escolha da Pureza, Jennie Lucas
Coleção: Harlequin Paixão - Dominadores





Se algum dos presentes souber de algo que possa impedir essa união, que fale agora...
Xerxes Novros estava disposto a fazer mais do que apenas declarar seus motivos para não deixar Rose se casar... Ele iria roubar a noiva e levá-la para sua ilha particular na Grécia! Raptada por um estranho sombrio e implacável, Rose não tinha escolha... Xerxes estava certo de seu objetivo: teriam juntos a noite de núpcias que lhe fora negada...”


Infelizmente eu começo atrasada as resenhas, mês passado com a volta de viagem, faculdade e diretoria de uma organização eu não consegui terminar de ler a tempo, terminei essa semana, ai aproveitei o pique e li o de abril já! xD

Pois bem, eu adoro historia com gregos e italianos, apesar de estereotipar todo um povo eu gosto bastante, principalmente porque eles vao acabar passando em um dos dois países, e eu morro por conhecer a Grécia e mais da Itália (eu conheço apenas Roma), então já comecei o livro empolgada, outro ponto que eu gosto muito é mocinho sequestrando a mocinha, é sempre uma desculpa tão ruim que eu morro de rir, humor estranho eu sei.

O livro começa no casamento da nossa mocinha Rose, com o barão sueco Lars, e ela é sequestrada pelo nosso aparentemente vilão Xerxes ( impossível não lembrar do filme 300, mas bola pra frente).

Logo no inicio descobrimos que o sr. Barão é casado já e tudo que ele queria era levar nossa pobre mocinha de 29 anos e ainda virgem para cama, pois a doce garota só iria se entregar para o marido.

Bem a mocinha é sequestrada porque o mocinho quer troca-la pela esposa de Lars, que está em coma escondida em algum lugar do mundo enquanto o marido gasta a fortuna dela e reza fortemente para ela morrer!

No ‘cativeiro’, se é que dar pra chamar disso uma casa linda em uma ilha grega, Rose descobre toda a historia e moça boa que é aceita continuar com isso para ajudar Xerxes!

E nisso toda a historia se desenvolve, com viagens para ilhas paradisíacas e o México, muuuuuitas noites quentes, e um mocinho que não é tão mal assim!

O melhor do livro? O mocinho, que apesar de parecer muito mal é na verdade uma pessoa boa.

O pior? Desculpem as mais românticas, mas mocinha de 29 anos e virgem doce e inocente, realmente não cola pra mim...poderia ter seguido a mesma linha, mas por favor com uma idade decente para a criatura!

No geral, eu realmente adorei o livro, lido em poucos dias, mesmo com uma agenda pessoal tensa!!

Um like para o livro =D

A proposito quem quiser eu coloco ele disponivel para download, só pedir!!

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Resenha de Abril - Mocinho sequestra mocinha

Pureza Roubada - Elizabeth Mayne
"Ela conquistou o inimigo com a força de seu amor!
Alemanha e França, 841 d.C.
Raptada por um guerreiro saxão, Thea Bellamy enfrentou o maior desafio de sua vida: a mente ordenava-lhe que odiasse aquele homem, mas ela não conseguia dominar os caprichos de seu enlouquecido coração…
E Thea descobriu o irresistível poder da paixão nos braços de Roderick, duque de Emory,
seu raptor!"

Então, outro histórico... Já deu pra notar que eu adoro romances históricos? Acho que ainda não, já que esse ainda é só o segundo livro da maratona. Mas como criatura ansiosa que sou, já vou adiantando que adoro e se a lista de temas me permitisse eu colocaria a maratona toda histórica, mas vamos falar do livro agora.
Não conhecia a autora e depois da decepção do livro de março, confesso que comessei a ler esse livro com um pé atrás. Não era necesssário. Eu adorei o livro, tanto pelo jeito como a história foi se encaixando de modo perfeito (odeio quando a autora muda o rumo do livro de uma vez e a história fica meio boiando no vazio) quanto pela inteligência dos personagens, o que gera muitas cenas engraçadíssimas e ótimos diálogos.
O melhor do livro? A mocinha que não era assim tão submissa e o mocinho, enfrentando o serio problema de tentar conseguir o respeito de gente que te conhece desde que ele usava fraldas. É bom saber que não importa a cultura ou a época que você vive, certas coisas não mudam... Além disso o contexto foi muito bem colocado, sem desviar a atenção mas sem tomar o espaço da história. O pior? Acho que a história da Marie foi meio rápida demais, como se a autora tivesse se esquecido dela no meio do livro. Mesmo assim, foi muito bom ter lido.