quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Resenha de Agosto - Contempôraneo


O domador de paixões - Catherine Anderson
Molly Wells é uma mulher que arrasta consigo muitos segredos. Só ela sabe o motivo que a levou a roubar um valioso puro-sangue ao ex-marido e a empreender com ele uma viagem de dentenas de quilómetros, através do Oregon, para o levar ao rancheiro Jake Coulter, um conhecido domador de cavalos. Ou o razão por que chega ao rancho deste sem emprego, sem dinheiro e com um medo horrível do ex-marido, que ameaça ainda controlar-lhe a vida. Molly está disposta a quase tudo para salvar Sonora Sunset, e nem sequer se apercebe que é ela própria quem precisa de salvar-se… e muito menos que Jake é o homem que pode dar-lhe aquilo de que ela necessita.
Ao acolher Molly no seu rancho, Jake suspeita que pode estar a dar guarida a uma ladra. Mas algo naquela mulher corajosa e ao mesmo tempo vulnerável o toca particularmente. Anseia assim por dar-lhe a maior dádiva que alguma vez poderá conceder – um lar, o seu afecto e a partilha do resto da sua vida. Mas até que ela se sinta suficientemente forte para aceitar tudo o que lhe deseja proporcionar, a única coisa que Jake pode oferecer-lhe é a sua disponibilidade paciente, a força para a ajudar a fazer frente aos seus inimigos e a promessa de a amar para sempre.

Emocionante, digno dos volumes anteriores da série... Foi bom ter esperado por ele, o que não foi tão bom foi a falta de tempo pra ler tudo de uma vez.
Conheci Catherine Anderson há alguns anos atrás  com o primeiro livro dessa série ”Uma luz na escuridão”. Um livro antigo, o que pode-se perceber pelas datas mencionadas nele e que, sabe-se por que cargas d’água, demorou pra ser traduzido pro nosso bom português. Isso considerando que Brasil e Portugal compartilhem o mesmo português... O que, na verdade, gera momentos divertidos durante os livros (como por exemplo, imaginar um daqueles cowboys lindos de morrer vestidos de camisolas... Calma! Em Portugal é assim que eles falam camisas. E vice-versa). Depois veio “A canção de Annie” que não fazia parte da série mas me mostrou que Catherine era especialista em mocinhas traumatizadas (ou traumáticas, como preferir). E então “Amor a primeira vista”, continuando “Uma luz na escuridão”, em que eu finalmente entendi qual era a da autora. Qual era a moral da história que ela quer passar... ”Ninguém sabe quanta força tem até que sua única escolha é ser forte.” Não sei onde li isso, mas é a pura verdade desse livro. Na história a mocinha rouba um cavalo pra salvá-lo de maus cuidados e daí conhece o mocinho que acaba salvando os dois... Tá certo que o Jake tem sim um ar de príncipe encantado meio exagerado, mas o livro não foi prejudicado por isso. Nem pelo modo como a história da mocinha foi contada, meio que aos pedaços, exigindo uma atenção maior ao uso das palavras dela. Foi um bom livro, sem tirar nem por, e melhor, é que parece o tipo de história que se ouviria por aí. Não algo que seja planejado mas que se desenrola e que vai se resolvendo por conta própria...
O melhor do livro? Perto do final a cena do cavalo que quase pisoteou o vilão... Além de engraçada ver um cavalo agindo como um cachorro, foi um belo toque o vilão com medo do bicho. O pior? Não teve nem uma palhinha de quem seria o próximo da série... Ah nem!